Nebulosa

A ficção científica e a fantasia vistas deste lado da periferia e suas memórias.

Locus (January 1997)

Número da Locus onde se fala de Portugal e da Espanha. 

Anúncios

Janeiro 28, 2013 Posted by | Álvaro de Sousa Holstein, Brian Aldiss, Cascais, ciencia ficción, Espanha, ficção científica, Joan Manel Ortiz, João de Mancelos, Joe Haldeman, José Manuel Morais, Locus, Portugal, Science Fiction | Deixe um comentário

The Science Fiction Encyclopedia (1979, 1981, 1993)

 A primeira edição onde já consta uma entrada sobre Portugal e que se mantém na segunda, mas que desaparece na terceira edição, apesar de autores como Aldiss terem estado em Cascais. Que terá falhado?

 

Outubro 12, 2012 Posted by | Brian Aldiss, ciencia ficción, Enciclopédia, Encyclopedia, fantascienza, ficção científica, John Clute, Peter Nicholls, Science Fiction | Deixe um comentário

Drácula Libertado – Brian Aldiss, Caminho FC, nº 165 (1994)

Dracula Unbound (1991). Capa de Henrique Cayatte.

Setembro 24, 2011 Posted by | Brian Aldiss, Caminho FC, ciencia ficción, Editorial Caminho, fantascienza, ficção científica, Henrique Cayatte, Portugal, Science Fiction | Deixe um comentário

Drácula Libertado – Brian Aldiss

Drácula Libertado

Autor: Brian Aldiss
Data de Publicação:
Editora: Caminho
Páginas:
ISBN: 972-21-0907-3

“No relato que se segue – em que ambos sobressaímos – há terror, horror, maravilhamento e algo que inominável. Uma espécie de nostalgia por aquilo que nunca se experimentou.

Neste livro do Brian Aldiss, nº 165 da extinta colecção de ficção cientifica da Caminho, vamos encontrar uma história de vampiros, e desenganem-se os que pensarem, que estamos perante mais uma história de vampiros. Nananana!!! Isto é a sério, mesmo a sério. Vampiros maus que comem, devoram e brincam com a comida – que são os humanos, entenda-se. Vampiros que quando querem algo apoderam-se do que pretendem, e usam-o e mesmo assim invejam em parte os humanos. Não são vampiros que se apaixonam e respeitam a raça humana, porque não precisam de o fazer.

Por outro lado temos os humanos que não ficam doidinhos por serem vampiros, nem estão dispostos a dar o pescocinho ao apaixonado para fazer bom sexo. Os humanos, os poucos que conhecem a existência dos vampiros, tem terror e desejam ardentemente acabar com tal perigo, pois sabem que qualquer um desses seres sem alma e sem raciocínio muito complexo, será um perigo para todos as pessoas que conhecem e amam.

A história tem várias ideias excelentes. O romance inicia-se com a descoberta de duas sepulturas pré-históricas, encontradas no Utha e a comunidade cientifica fica em polvorosa por os testes situarem os ossos com uma idade superior a 65 milhões de anos. Muito antes de qualquer ser humano ter caminhado sobre a terra.
Durante as descobertas um comboio fantasma visita as sepulturas e dois dos cientistas entram no comboio (que se encontra repleto de vampiros) e descobre que está numa máquina do tempo – que é o comboio.

Após entrar no comboio, uma das personagens principais, pára o comboio no final do séc. XIX e conhece o Bram Stoker o criador do famosos romance Drácula. A partir deste ponto inicia-se uma luta contra aquele que pretende aniquilar toda a humanidade – Drácula.
Mas o livro está cheio de pormenores muito engraçados, desde os já conhecidos e discutidos paradoxos temporais, até à explicação do aparecimento dos vampiros, que achei especialmente interessante. Durante todo o romance a personagem principal debate as suas crenças, que até aí são puramente cientificas. Com a descoberta  dos vampiros, ele não pode negar a possibilidade da existência de Deus, já que perante ele, tem a prova viva da “existência do mal”.

Agosto 3, 2011 Posted by | Brian Aldiss, ciencia ficción, ficção científica, MGL, review, Science Fiction | Deixe um comentário

Trillion Year Spree: The History of Science Fiction – Brian W. Aldiss

Uma obra fundamental para a compreensão da ficção científica, pela mão de um grande ficcionista, 
Brian Aldiss (1) (2)

Fevereiro 22, 2010 Posted by | Brian Aldiss, Ensaio, Inglaterra, UK | 6 comentários